Blog

Psicologia Positiva, Felicidade Interna Bruta e Coaching: entenda a relação entre eles

Já repararam como surgiram diversos movimentos nos últimos anos? Movimentos como o do bem estar, do meio ambiente, dos direitos civis relativos à raça, gênero, sexualidade, sustentabilidade…

Tudo isso porque os valores das sociedades mudam. Este processo pode até ser sutil, mas as mudanças acontecem. E isso nos leva a pensar que as sociedades de uma forma geral estão repensando o seu funcionamento.

A Felicidade Interna Bruta (FIB) foi um dos conceitos mais significativos que surgiu nas últimas décadas. Criado em 1972 pelo rei do Butão, o FIB foi uma forma de indicar o crescimento do país sem considerar apenas o aspecto econômico, mas sim outros conceitos como culturais, psicológicos, espirituais e ambientais.

Recentemente, a ONU (Organização das Nações Unidas) incorporou esse indicador como uma forma de complementar outras medidas já usadas para medir o desenvolvimento de uma nação , como o PIB (Produto Interno Bruto).

Hoje, queremos te contar mais sobre esse indicador que tanto tem feito a diferença entre todas as nações do mundo e como ele interfere também no mundo corporativo.

 

Porque a Felicidade Interna Bruta começou a ser medida?

Em julho de 2011, a Assembleia Geral da ONU fez um convite aos países membros para medirem a felicidade de seus habitantes e usarem esses dados para ajudar em suas políticas públicas.

No ano seguinte, realizaram a primeira reunião de alto nível da ONU sobre a “Felicidade e Bem-Estar” com o primeiro Relatório Mundial da Felicidade. 

Jigme Thinley, primeiro-ministro do Butão foi quem presidiu a reunião, já que seu país foi o primeiro e único que até então havia adotado a Felicidade Interna Bruta, desde o seu surgimento como principal indicador de desenvolvimento ao invés do PIB (Produto Interno Bruto). 

Entre os quesitos que são analisados pelo FIB estão: bem estar psicológico, saúde, uso do tempo, vitalidade comunitária, educação, cultura, meio ambiente e governança. 

Surge assim, o FIB (Felicidade interna Bruta ou internacionalmente conhecida como GND- Gross National Happiness) como índice complementar ao PIB e todos os anos é publicado um relatório anual que pode ser consultado no site World Happiness Report.

Este relatório é realizado pelo Gallup World Poll e em 2019 o Brasil apareceu na trigésima segunda posição (de 156 países), sendo os líderes do ranking os países escandinavos, enquanto que Afeganistão e Sudão estão no final.

Este assunto tem se tornado tão relevante e vai muito além da política pública. Muitas organizações já criaram um novo cargo “CHO” – Chief Happiness Officer com o objetivo de ter uma equipe 100% focada, pensando exclusivamente na criação e adaptação de ações que impactem no bem estar dos colaboradores.

Psicologia Positiva e da Felicidade Interna Bruta- FIB: a sinergia entre estes conceitos

Você sabia que pensar positivo, conhecer seus valores e potencializar suas forças e talentos pode transformar suas ações? Essas são algumas das questões estudadas pela psicologia positiva

Se ainda não ouviu falar, a psicologia positiva é uma das mais novas vertentes da psicologia  que estuda como despertar e manter as pessoas motivadas.

Este conceito foi criado no final da década de 90 pelo, Dr. Martin Seligman, psicólogo e pai da Psicologia Positiva, além de ex-presidente da APA (American Psychological Association) e professor da Universidade de Pensilvânia, que foca nas emoções e fortalezas.

O objetivo da Psicologia Positiva não é a resolução dos problemas, traumas ou tratamento de doenças e sim fortalecer o que há de bom nas pessoas, identificando suas melhores características, pontos fortes e descobrir como elas podem ser usadas em todas as áreas da vida.

E é justamente aqui neste ponto que a Psicologia Positiva e a Felicidade Interna Bruta tem seu ponto de sinergia: uma abordagem sustentável do desenvolvimento, que equilibra os valores materiais e não materiais com a convicção de que os humanos desejam buscar a felicidade. O objetivo do FIB é alcançar um desenvolvimento equilibrado em todas as facetas da vida que são essenciais para nossa felicidade.

E o que psicologia positiva tem a ver com coaching?

As descobertas da psicologia positiva são baseadas em estudos e métodos validados.

Essa filosofia pode ser transformadora não somente para pessoas físicas, mas também para empresas que buscam resultados sustentáveis, duradouros, além de profissionais mais engajados e comprometidos. 

O Coaching baseado na Psicologia Positiva atua principalmente no fortalecimento das emoções positivas, no uso de forças e talentos para gerar comprometimento, no desenvolvimento de relacionamentos positivos, na ampliação do senso de propósito e como consequência de tudo, no aumento de conquistas e realizações.

Um dos pilares fundamentais desta modalidade de Coaching é o conhecimento e reconhecimento de nossos valores. Não ter esse autoconhecimento pode nos fazer entrar em conflito.

Pilares do Coaching com base na Psicologia Positiva 

Existem 5 pilares que podem ser definidos pelo acrônimo  “PERMA” que destaca as bases do desenvolvimento humano:

  • Positive Emotion (emoções positivas): alegria, afeto, gratidão, etc;
  • Engagement (engajamento): refere-se à participação em atividades que tornam a vida mais feliz. O que depende de pessoa para pessoa;
  • Relationship (relacionamento): são as relações positivas;
  • Meaning (propósito de vida): o que move a pessoa para a felicidade;
  • Accomplishment (realizações): são as conquistas da nossa vida.

Com o PERMA podemos tanto avaliar o bem estar do Coachee, como identificar os pontos onde o coaching positivo pode auxiliar.

A metodologia de um processo de Coaching baseado na Psicologia Positiva foca principalmente no estímulo e no acesso a emoções positivas, aumento da resiliência, acesso a motivação intrínseca (autodeterminação e auto concordância) e crescimento da auto eficácia. 

Nós da Trilha acreditamos que investir em um coaching que se utiliza como premissa a psicologia positiva, além de trazer benefícios para uma vida mais significativa e satisfatória  para as pessoas, também traz resultados para a vida profissional. 

 

O grande benefício para empresas

Para as empresas que procuram resultados sustentáveis e duradouros, aumentar a qualidade de vida dos colaboradores e melhorar o clima no ambiente de trabalho, o coaching baseado na psicologia positiva na prática serão grandes aliados! 

Mas antes de conhecer os reais benefícios, é preciso ter a clareza dos prejuízos que os profissionais desmotivados geram para o time e para a empresa. Existem custos explícitos e implícitos na desmotivação e no desengajamento.

A psicologia positiva pode ser usada de diversas formas para aumentar a felicidade e a satisfação dos colaboradores, pois esses pontos estão diretamente ligados com a produtividade.

Quanto mais pessoas você gerencia, maior a possibilidade de promover práticas de positividade na empresa. O resultado é a melhoria na motivação e no aumento do engajamento, gerando níveis maiores de aprendizado. Tudo isso gera resultados extraordinários a custos muito baixos.

Pesquisas mostram que pessoas felizes são melhores colaboradores, mais produtivos e ótimos para atuar em equipe. Em tempos de caça aos talentos, isso não pode ser ignorado. “Gente infeliz não projeta nada novo”, diz Karma Ura ( Presidente do Centro de Estudos de FBI do Butão).

Nós da Trilha Carreira temos programas customizados de Coaching para o seu negócio focados no aumento de conquistas e realizações.

Fale com um de nossos consultores ainda hoje e aumente o engajamento e o índice da Felicidade em sua empresa!