Blog

Mudanças no mundo corporativo: uma carta de marketing tem sua importância na transição

É possível que, para todas as empresas que constam de sua lista de empresas-alvo e que você decidiu se expor, encontre alguém em sua lista de contatos que o apresente a um profissional que lá trabalha (você deve considerar essa ação a mais importante. Porém, caso isso não ocorra, você deve acessar a empresa por meio de uma carta de marketing

 

Como funciona uma carta de marketing?

 

A eficácia desta depende de como você a escreve. Ao invés de escrever uma carta enfadonha, pomposa, formal ou mesmo fria, você deve torná-la interessante, informativa, concisa e estimulante para o leitor. 

Como parte de sua campanha de marketing, reserve muito tempo e energia para escrevê-las e reescrevê-las. Isso porque antes de fazê-lo, você deverá encontrar o ponto de atração, aquele em que o leitor irá se deter por chamar sua atenção. 

Isso exigirá muita pesquisa para compreender o segmento de atuação dessa empresa, seus objetivos estratégicos e suas competências essenciais. 

 

Quando começar a escrever a carta?

De posse dessas informações, você terá a seu dispor o cenário que o ajudará a identificar objetivos que a empresa busca atingir no momento e, então, relacionar as suas competências e resultados com estes. A partir daí, você escreve a carta. 

O leitor encontrará um documento que relaciona os objetivos de sua organização, que lhes são familiares, e uma pessoa que aponta para possíveis ações que venham a atingi-los. 

Mesmo que pareçam soluções que a empresa já tenha utilizado no passado e que não tenham dado certo, com absoluta certeza o leitor irá concluir que você pesquisou e se interessou pelos projetos da organização. 

Um belo começo, não acha? Ele provavelmente irá chamá-lo para uma conversa, mesmo que para entender seus pontos e verificar o que você estudou sobre o mercado e a empresa e, o que você conseguiu? Uma oportunidade de se apresentar e mostrar suas habilidades. 

 

Não se resume em enviar currículo! É uma ação estimada e eficiente

 

Veja que não se resume a apenas uma carta encaminhando um currículo, pois a grande maioria assim o faz, o que torna o simples envio uma ação padronizada e sem chances de chamar a atenção.

A eficácia das cartas de marketing é estimada pelo número de entrevistas que elas geram. Em geral, um resultado entre 1-2% é bastante razoável. Se conseguir 5% é simplesmente fantástico. 

 

Chances para transição de carreira

 

Revistas e jornais também são uma alternativa para encontrar uma posição, porém merecem menor atenção. 

Em sua transição de carreira, você deve responder aos anúncios de jornais e revistas. 

Como dito, só dedicamos menos energia porque não existem muitos anúncios de posições nesses veículos, mas você deve estar atento aos poucos que surgem aos Domingos e Quintas-feiras em jornais de grande circulação no Estado em que reside, além de revistas como Exame, a qual deve sistematicamente acessar seus exemplares enquanto estiver nesse processo.

 

Vale a pena conferir anúncios de jornais?

Para as posições abertas divulgadas pelos jornais, nem sempre o anúncio traz a informação de qual empresa está contratando, o que o impede de confrontar com a sua lista de empresas-alvo, seja um anúncio colocado por um Headhunter, empresa de seleção ou pela própria empresa, está descrevendo as atribuições do cargo, seu título, porém solicitando que os interessados encaminhem seus currículos para uma caixa postal. 

Aqui vale chamar a atenção para um tipo de anúncio que alguns Headhunters utilizam, que tem por objetivo apenas receber currículos do mercado para determinadas áreas e aumentarem seus bancos de currículos, ao que chamamos sourcing

Alguns chegam até a chamar candidatos para entrevistas. As próprias empresas também utilizam dessa prerrogativa para avaliar os salários que estão sendo pagos em comparação com os pretendidos nos currículos recebidos. 

Em ambos os casos, infelizmente, não são vagas reais. 

Difícil identificar essa prática, qual anúncio representa uma oportunidade ou não, porém você também deve responder e encaminhar seu currículo, pois no caso das empresas, podem ser vagas fechadas que estão sendo divulgadas em sigilo, ou no caso dos Headhunters, pelo simples fato de que você deve manter seu currículo com eles como parte de sua estratégia de gestão de carreira.

Número reduzido ou não, vagas colocadas em jornais e revistas sempre existiram e confirmam que muitas posições estão disponíveis. 

Os cadernos de emprego esticam ou encolhem, de acordo com as oscilações do mercado, mas jamais deixam de existir. 

Resta a você equilibrar adequadamente seus esforços entre as diversas alternativas de busca que existem.

Vamos falar mais sobre – como deve responder à anúncios nesses veículos – no próximo post.

 

Autor: Sami Boulos

Continua no próximo artigo da série: “Mudanças no mundo corporativo”.