Blog

Mudanças no mundo corporativo: sua postura durante um contato de networking

Vamos retomar sobre a carta de marketing que você utiliza para se apresentar a uma empresa-alvo, que iniciei no blog anterior. Para cada carta de marketing, um novo texto, baseado no estudo preliminar sobre a empresa e o mercado em que atua, relacionado às suas histórias de sucesso e competências.

Desnecessário dizer que o texto, em sua forma e aparência, deve estar impecável. Utilize todos os recursos disponíveis para sua correção e formatação, e jamais a envie contendo erros ortográficos e sem uma formatação bem profissional.

 

Como se preparar para o encontro?

 

Se o objetivo com os contatos feitos por telefone, ou mesmo por carta de marketing, é conseguir o contato pessoal, então você deve se preparar para este encontro.

Não me refiro aqui apenas quanto ao conhecimento da empresa e do mercado que você deverá obter para demonstrar familiaridade e alinhar suas histórias às necessidades específicas daquela empresa ou mesmo mercado.

Estamos falando da sua postura pessoal, de como você irá se sair no contato com o seu interlocutor. Você precisa dominar excelentes habilidades de comunicação interpessoal e, como quaisquer outras, essas habilidades podem ser desenvolvidas e melhoradas.

Ao chegar ao local da entrevista, você deve procurar perceber o ambiente antes da reunião. 

Procure notar como as pessoas agem, se vestem, se comunicam. Esses aspectos lhe darão uma boa mostra do clima organizacional, se é burocrático ou descontraído, se as pessoas agem de forma simples ou mais formal. 

Diferenças entre culturas organizacionais

Geralmente empresas americanas são mais informais nos relacionamentos internos, diferentemente de boa parte das empresas europeias e asiáticas, mais contidas, tanto nos trajes de seus funcionários como na relação entre eles. 

O importante é que você tenha se vestido adequadamente para cada um desses ambientes para não se sentir deslocado e desconfortável, o que irá impactar sua performance durante a conversa. 

 

Continue sendo você mesmo

Não quero dizer aqui que você deveria deixar de ser você mesmo, apenas procure evitar situações que chamem a atenção dos demais por não o reconhecerem como alguém que poderia fazer parte daquele grupo.

 

Aproveite cada oportunidade!

 

Você terá inúmeras oportunidades de se apresentar e falar de si mesmo nos contatos de networking. Seu discurso estará mais consistente e perceberá que falar sobre você mesmo é uma questão de conhecer seus pontos mais fortes e saber tratar as objeções, e se sentirá cada vez mais à vontade. 

Procure melhorar esta habilidade sempre que possível: use um gravador, ensaie com a família e amigos, sempre se concentrando nas suas realizações mais importantes.

Em minhas entrevistas com profissionais que estão se candidatando a uma posição, é comum perceber que passam boa parte do tempo falando das empresas as quais trabalharam. Falam de suas estratégias de mercado, de seus planos, apresentam dados financeiros, explicam em detalhes como a empresa superou determinada dificuldade e, ao final desse discurso, o que temos? Nada sei sobre o profissional. 

O entrevistador não está interessado em saber dos detalhes da empresa que trabalhou. Ele quer sim é saber o que você fez e que tenha contribuído de forma efetiva com os resultados da empresa. Ele procura identificar, em seu relato a partir dos resultados demonstrados, aqueles que possam ser traduzidos em competências para a posição em questão. Eis a razão de ter seu discurso muito bem preparado e consistente com as suas realizações.

 

Saiba qual é o momento certo de falar e de ouvir!

 

Por outro lado, mesmo que as habilidades de escrever e falar sejam muito valorizadas, tanto importante é a habilidade de ouvir no processo de comunicação

Mesmo que você se ache um excelente ouvinte, faça um teste consigo mesmo. Assista algo numa fita e peça a alguém que faça algumas perguntas sobre o conteúdo. Você ficará surpreso ao descobrir quantas perguntas ficaram sem respostas. 

A razão para este fato reside na falta de concentração nas palavras ouvidas. Não se trata de ouvir, mas sim de compreender. Nós não lembramos às vezes do nome da pessoa que acabaram de nos apresentar pelo simples fato de não nos concentrarmos e prestarmos atenção. Não se preocupe, pois ouvir de maneira concentrada pode ser melhorado e aprendido com a prática.

Vamos falar dessa prática, de saber ouvir numa conversa de networking, no próximo blog.

 

Autor: Sami Boulos

Continua no próximo artigo da série: “Mudanças no mundo corporativo”.