Blog

Mudanças no mundo corporativo: fontes de referências são muito importantes!

Todo desenlace traz algum trauma para nós e, por consequência, devemos nos preparar para que esses acontecimentos passados não repercutam negativamente em nossos projetos futuros. 

Como o desligamento de um profissional geralmente é carregado de sentimentos de traição, desconsideração, entre outros, seja de uma ou de outra parte, ou mesmo que sem motivo real, você terá que explicar a razão de sua saída e esse é um ponto muito delicado em seu projeto de transição

 

Por onde começar? Quem são as suas referências?

Parto do princípio de que você não tenha feito nada que pudesse desaboná-lo mas, mesmo assim, uma explicação plausível terá que ser dada e que não o desqualifique como um bom profissional.

Serão suas referências profissionais que poderão dirimir qualquer dúvida acerca de suas qualidades e, portanto, há um cuidado especial que você deve tomar. 

Uma vez que selecionadas essas referências, em número de 3 ou 4, você deve começar a pensar nos pontos para uma conversa que terá com cada uma delas. 

 

Por que conversar com suas referências?

Você não pode incluir uma pessoa em sua lista sem que ela saiba que você o fez, então, para cada um desta lista você terá alguns pontos que espera que ela fale a seu respeito. 

Para esse alinhamento, você deverá agendar um encontro pessoal onde irá apresentar o seu projeto de transição de carreira e solicitar dela seu empenho com relação aos pontos que você escolheu. 

Por exemplo, quando for falar com um antigo par, um funcionário que tenha trabalhado com você sob a mesma supervisão, você poderá relacionar temas como: trabalho em equipe, parceria, habilidade de gestão de equipe, companheirismo e assim por diante. 

Lembre-se de discutir com ele cada um desses temas e chegue a um acordo de como ele o vê em relação a estes. 

 

Quem deve estar na sua lista de referências?

Sua lista deverá incluir seus ex-chefes, pelo menos os dos últimos empregos. As informações que estas pessoas derem a seu respeito, tanto poderão significar um impulso em sua carreira como um desastre sem precedentes.

 

Exemplo real

Recentemente, quando fui buscar informações sobre um candidato para finalizar um processo de seleção, seu ex-chefe começou apontando suas principais competências, relatando suas histórias de sucesso, porém, no meio da conversa ele incluiu um “Mas…”. 

Foi o suficiente para levantar uma série de suspeitas. Veja, a opinião de um ex-chefe é fundamental. 

Um experiente Headhunter sabe distinguir uma opinião profissional de uma declaração de sentimentos pura e simples. 

Se o “mas” veio seguido de uma reclamação quanto ao fato de você ter deixado a empresa por livre e espontânea vontade, criando uma série de problemas para a continuidade da área em que era responsável, isso poderá ser relevado, pois são sentimentos e não um atestado de incompetência. 

Porém, se o “mas” veio seguido de questionamentos quanto à qualidade de suas competências no exercício das atividades, então um alerta é levantado e novas checagens serão feitas, caso já não seja imediatamente eliminado do processo seletivo.

 

Seja sempre honesto com seus superiores

Tudo isso pode ser evitado, desde que você, no encontro pessoal com suas referências, alinhe o motivo de sua saída. 

Desenvolva uma explicação curta, positiva e plausível e evite sinalizar preocupações do tipo conflitos de personalidade. 

Se você não tinha um bom relacionamento com o seu ex-chefe, apesar de você acreditar que o problema era ele, considere que o selecionador irá questionar sua habilidade de relacionamentos interpessoais. 

Portanto, discuta com o seu ex-chefe todos os pontos positivos que gostaria que fossem apresentados por ele numa referência.

Visto que por mais bem intencionado que ele possa ser, ele talvez possa não ser habilidoso o suficiente e começar a justificar uma ação dele, a sua demissão, com a baixa qualidade do trabalho que você vinha entregando nos últimos meses, ou ainda, exagerar nas suas qualidades que ninguém em sã consciência poderia acreditar.

 

Como identificamos uma boa avaliação de referências

O que precisa existir é uma avaliação equilibrada e justa das pessoas que irão compor a sua lista de referências e, por este motivo, por mais que você se sinta constrangido em ligar e pedir o encontro, e achar que poderia trocar e-mails para concordarem com os pontos, entenda que o encontro pessoal é muito valioso e você irá se surpreender que, na maioria dos casos, as pessoas estarão com muita boa vontade em lhe ajudar.

 

Autor: Sami Boulos

Continua no próximo artigo da série: “Mudanças no mundo corporativo”.