Blog

Mudanças no mundo corporativo: carreira corporativa como uma opção

Quando analisamos do ponto de vista da experiência acumulada pelo profissional, não vamos generalizar que a idade avançada, ou como prefiro chamar, a senioridade, venha rotular algumas das suas alternativas de carreira.

Todas as carreiras se beneficiam ou não com a senioridade. Por exemplo, se você está na carreira corporativa, notamos que grandes organizações estão reduzindo o tempo em que os seus funcionários devem se aposentar. 

Essa idade já foi de 65 anos na década de 1980 e agora ronda entre 55 e 60. Curioso, uma vez que a longevidade vem aumentando, 84 anos para as mulheres e 78 anos para os homens. 

De qualquer forma, nesta carreira você caminha para um muro onde deve deixá-la, queira ou não, esteja se sentindo saudável ou não. É uma característica da carreira corporativa. 

 

Outros tipos de carreira

Por outro lado, na carreira da consultoria, digo que quanto mais branco os seus cabelos, maior é o valor dos honorários que deve cobrar pelo seu trabalho. Na acadêmica e no empreendedorismo também, como tratado nos blogs anteriores.

Essa reflexão nos leva a uma outra reflexão, de que a escolha da carreira não acontece apenas uma vez na vida, logo após a conclusão do bacharelado. 

Ela ocorre em diversos momentos de nossas vidas, quando nos sentimos infelizes com o que fazemos, quando perdemos um emprego, quando nosso negócio não deu certo e inflamos as estatísticas do SEBRAE, após a aposentadoria ou quando nos vem simplesmente aquela vontade de mudar de vida.

 

Força da carreira corporativa

A carreira corporativa geralmente é considerada a primeira opção para todos aqueles que concluem a faculdade – talvez o seja ainda, apesar do processo de redução dos empregos (dejobing) ocorrido a partir de meados da década de 1980, resultado de tantas reengenharias e downsizing e, mais recentemente, processos de fusões e aquisições. 

Para se ter uma ideia do volume desses processos, a partir de 1992, de acordo com a consultoria KPMG, foram contabilizadas mais de 5.000 fusões entre empresas no Brasil, lideradas pelos segmentos de alimentos e bebidas, farmacêutico e tecnologia da informação. 

Os setores ainda muito fortemente propensos à consolidação são os de energia, financeiro e ainda o farmacêutico. 

 

Força da carreira de consultoria ou empreendedorismo

Se os empregos na forma que o conhecemos estão reduzindo, o trabalho e as oportunidades vêm aumentando, o que amplia as oportunidades para as carreiras da consultoria ou empreendedorismo. 

Entenda, as organizações não estão deixando de fazer o que devem fazer para atuarem no mercado, mas estão se concentrando naquelas atividades que lhes são vitais e consideradas competências essenciais, transferindo aos consultores e pequenas empresas de serviços uma gama imensa de trabalho. 

Faz sentido a Volkswagen possuir uma padaria dentro da empresa para servir seus funcionários? Pois é, ela possuía, porém a padaria continua lá, mas essa atividade foi terceirizada. 

Na verdade, o departamento de design das montadoras, considerado o coração do setor, em boa parte do mundo está terceirizado, donde surgiram dezenas de escritórios de design de automóveis.

Se sua decisão for por seguir uma carreira corporativa são muitas as variáveis que deve considerar. 

 

Estilos de organizações para desenvolver sua carreira corporativa

Faz muita diferença entre trabalhar em organizações americanas, europeias, asiáticas ou brasileiras – bem como organizações de porte médio, pequeno ou grande. 

Todas são organizações que podem lhe oferecer uma carreira profissional. Não existe a melhor ou a pior, do ponto de vista de mercado ou do que ela pode lhe oferecer. 

Existe, sim aquela cujo seu perfil está mais adequado. Então, como definir qual dessas incontáveis combinações é a mais apropriada a você? Novamente, deve-se partir do seu perfil profissional

Se você for uma pessoa que toma as decisões rapidamente, corre os riscos inerentes, ouve sua equipe e quer soluções implantadas imediatamente, então as organizações menores, com menos níveis hierárquicos, podem ser mais adequadas. 

Numa grande organização, com diversos níveis de reporte, muitas vezes localizados em diversos pontos do globo, onde todos devem participar da decisão, num processo de obtenção de consenso entre todos os envolvidos, o processo decisório é compartilhado e amplamente discutido. 

Nesse caso, o seu perfil deve ser o de uma pessoa negociadora, estrategista nos relacionamentos, mais paciente com o desenrolar dos fatos e soluções. Deve-se também levar em conta a cultura e o ambiente das organizações. 

 

Empresas americanas

Uma empresa americana busca resultados de curto prazo para a maioria de suas iniciativas de mercado. São mais arrojadas, empreendedoras e arriscam mais. O clima interno é de elevada pressão por resultados e todos os funcionários partilham desse cenário. 

Você deve se sentir bem trabalhando sob pressão e entender que é assim o ambiente em que atua. 

 

Empresas alemãs ou japonesas

Em contrapartida, a cultura das empresas alemãs ou japonesas, por exemplo, entende o investimento como algo a ser recuperado no longo prazo, na maioria de suas iniciativas. 

Tais investimentos possuem um tempo de maturação para o seu desenvolvimento, bem superior ao das organizações americanas. 

A competição interna é mais branda e há um cuidado em respeitar os espaços ocupacionais que cada funcionário possui.

 

Qual seria a empresa certa para carreira corporativa?

Mais uma vez, não há empresa certa ou errada, mas sim, em qual desses ambientes você produz melhores resultados. 

Antes de decidir por ingressar em uma delas, você poderá utilizar diversas fontes para identificação dessas organizações, porém nenhuma é melhor do que os contatos internos que você pode descobrir. 

Marque um encontro com um desses contatos, que tenha sido originado de sua rede de relacionamentos, para conversar sobre essa empresa. 

Identifique seu estilo de gestão dos negócios e de pessoas, seus pontos fortes e fracos, não só de mercado, mas também na gestão de pessoas

Procure saber qual o modelo de gestão de pessoas que a empresa adota e como tem sido a prática em comparação ao discurso das políticas de RH. 

Outro fator importante é saber qual o desempenho dessa organização no cenário mercadológico. Se ela está crescendo ou encolhendo, seus principais produtos, clientes e assim por diante. 

Aconselho sempre os profissionais que, antes de aceitarem qualquer proposta de trabalho, após todas essas análises feitas previamente, é importante ficar diante do portão principal da empresa e ver as pessoas que entram e saem.

Qual o perfil delas? Se parecem com você, têm algo em comum? Que roupas vestem, que carros dirigem e, desta forma, quando você começar a trabalhar nela, você não irá estranhar as pessoas a sua volta e, melhor ainda, irá se identificar com elas. 

 

Autor: Sami Boulos Filho

 

Continua no próximo artigo da série: “Mudanças no mundo corporativo”.